Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Lixo judiciário

Resultado de imagem para corrupção judiciário
Amigos e amigas.
Este ano de 2016 ficará marcado na História como o ano em que o Judiciário brasileiro (em especial, o STF, na bufa figura de Gilmar Mendes) naufragou. Sua credibilidade já capenga foi desmoralizada de vez e atirada ao esgoto por uma leva de absurdos e arbitrariedades. Não bastasse sua morosidade (o Moro não escapará nunca), com milhões de processos entupindo suas "despensas", e casos tragicômicos como este, ele ter bovinamente chancelado o circo de horrores perpetrado pelo Congresso no kafkiano impeachment da Dilma foi o ápice da sua nulidade e a implosão de sua moral.

Evitarei ao máximo remoer a quantidade colossal de covardias, mas cito novamente estes dois artigos de Maria Inês Nassif para que comecem a visualizar o tema do post. E, para sacramentar, os três maiores exemplos recentes de toda essa gama de iniquidades legais:

- O patético e vexatório show do procurador Dellagnol, com seu 'powerpoint' demonstrando o Lula como o "Poderoso Chefão", culminado com a 'anta'lógica frase: "Não temos provas, mas temos convicção!";

- A parcialidade do 'semideus' Moro em aceitar tal denúncia sem provas e, nesta mesma toada, mandar prender outro petista célebre (Palocci) "por falta de provas". Se tivesse provas, mandaria executá-lo?

- O caso da juíza no Pará que, em 2007, mandou prender uma adolescente junto com 30 homens por 26 dias e foi recentemente "punida" por seus pares com 2 anos de férias remuneradas.

Em face disso tudo, antecipo: o alvo maior, Lula, não escapará da prisão. Não por ser culpado, nem por já terem as provas necessárias; pura e simplesmente para evitar que o entreguismo acelerado do país seja atrapalhado, situação financiada pelo capital apátrida que está prestes a tomar posse dos principais recursos (petróleo e água) e capitaneada pelo seu peão-mor Temer. Sabem bem que, se permitirem sua candidatura em 2018, há grande risco dele vencer e tais parasitas terão mais trabalho para finalizar tal agenda.

Tudo o que está ocorrendo "dentro da lei" e com a vibração histriônica dos oligofrênicos só visa esse impedimento. Passado o prazo de candidatura, tudo voltará ao normal em pouco tempo e Lula será devidamente relegado e perdoado, como já está acontecendo com o "tenebroso e maldito" José Dirceu. Já em meio a toda essa sanha de acusações contra o PT e seus componentes, essa Justiça se esmera em blindar todos os outros denunciados (Renan, Sarney, Jucá, Aécio, Serra e uns dois terços do Congresso). Até mesmo o Cunha (acusação retirada pelo Moro) e esposa (passaporte devolvido pelo Moro) estão sendo beneficiados. Essa notícia recente de que Moro acatou a denúncia contra Cunha é pífia e só serve para manter os paneleiros em seus cabrestos, felizes e esperançosos, além de avalizar a prisão de Lula sem que o acusem de notória seletividade.

Neste país de desdentados, alienados e comodistas, não podemos almejar, sequer imaginar um estado de coisas menos apodrecido. E a instituição que deveria cuidar da justiça para todos se reduziu a uma mera espectadora conivente e conveniente, lutando apenas para tentar manter um mínimo da aura de importância e dignidade inerente a ela. Além de todos os seus privilégios, logicamente.
FAB29