Quando a alma deseja

A PALAVRA SÓ É LIVRE QUANDO FLUI PARA DENTRO DA MENTE, DO CORAÇÃO E DA
ALMA SEM RANCORES, DISTORÇÕES E FALSIDADES.

"Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.

Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.

Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.

Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.

Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.

Mas, depois de muita análise e observação, se você vir que algo concorda com a razão

e conduz ao bem e ao beneficio de todos, aceite-o e viva-o."

Sidarta Gautama (Buda)


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Parcialidade impune

Amigos e amigas.
A desfaçatez do Brasil político, jurídico e midiático dos últimos anos ultrapassa qualquer limite de tolerância e decência. Já falei várias vezes do mercado persa que foi a compra do impeachment. Nosso congresso nacional (sempre insistirei) tornou-se a maior vergonha que este país já produziu em toda a sua História, além de ser o maior responsável por toda a sangria de recursos públicos para mãos alheias. O STJ virou mero espectador e um complacente avalizador de uma leva de iniqüidades perpetradas pela politicalha que grassa no país (o golpe parlamentar foi apenas o mais recente), mas a parcialidade também ocorre despudoradamente por lá. Tanto que um deles (Gilmar "tucanão" Mendes) já está na mira do impeachment.

O que dizer da grande podre mídia? Dificílimo elencar a quantidade de podridões, mentiras, omissões, manipulações em geral que fazem a lavagem cerebral, executada diuturnamente na mentalidade já tosca do povinho. Só para não ficar no limbo desta afirmação, cito dois exemplos dessa parcialidade grotesca e criminosa:

- O colunista de "O Globo", Lauro Jardim, publicou uma mentira comprovada sobre o filho de Lula e se livrou de punição apenas por publicar uma errata quase um mês depois. E o JN (sempre com a conivência de seus pares: Folha, Veja, UOL,...), às portas da votação do impeachment, anunciou bombasticamente uma "multa milionária" que a Receita Federal cobrava do Instituto Lula para, logo após a consumação do golpe, retratar-se com uma bisonha nota de meio minuto, afirmando que a investigação "ainda está em andamento". E até hoje, não se consumou.

haddad marco antonio villa
O jornaleiro e o prefeito
- O prefeito de SP, Fernando Haddad, é um dos alvos preferidos do jornaleiro PSDBosta Marco Antonio Villa, da Rádio Jovem Pan. De tanto ser massacrado com a virulenta verborragia parcial do preclaro zero-à-esquerda (que descia o sarrafo diariamente na agenda pública do prefeito. E só na dele!), Haddad resolveu provar a desonestidade política do seu acusador. Publicou a agenda de um político querido do jornaleiro como se fosse a dele. Resultado: o "jênio" caiu de quatro como uma besta e desceu o malho sem querer no seu protegido. Pego de cueca na mão e magoadíssimo, o "imparssial" jornaleiro tentou recentemente desancar o prefeito numa entrevista à Jovem Pan, mas perdeu o rebolado e a compostura com a fleugma de Haddad.

E agora, todo esse circo de horrores que foi o impeachment de Dilma está chegando ao fim, com a definitiva criminalização de Lula (a única maneira viável dele não se candidatar a presidente em 2018). Com todo o patético alarde necessário para incitar o cérebro de ameba do povinho, o MPF (na picaresca figura de Deltan Dellagnol) anunciou que "Lula era o comandante máximo do esquema de corrupção identificado pela Lava Jato". Porém, "não temos provas, mas temos convicção!". Ele continua colocando o petista como "dono do triplex no Guarujá" (história já desmentida pela PF) e diz que ele recebeu R$ 3,7 milhões em propinas da OAS. Se isto for comprovado, sem dúvidas que é um crime e merece uma punição adequada. Mas têm estes detalhes. E mais estes.

O grande porém é que Lula e o PT serão os únicos atingidos pela Lava Jato, cuja data de validade é a prisão do petista de qualquer maneira. Nenhum outro político de alto cacife será punido. Nem o Cunha, que já teve sua prisão negada pelo STF. Se alguém pensa que o Sérgio Moro irá prendê-lo, relembro a patética, grotesca e ofensiva justificativa dele para não conseguir sequer intimar a mulher do Cunha para depor.

O que dizer dos casos de recebimento de propinas de Renan Calheiros (R$ 30 milhões), José Sarney (R$ 20 milhões) e Romero Jucá (R$ 20 milhões), todos do PMDB? E tudo isso apenas da Transpetro?! E as centenas de outras acusações de corrupção ativa e passiva que atingem dezenas de congressistas, com valores bem maiores do que os que apontam ao Lula? Alguém ainda acredita que STF, Moro et caterva levarão a cabo? No máximo, criarão uma cortina de fumaça, sacrificando um e outro boi de piranha. Quem viver, verá e os que acreditavam em seus heróis (personalizados na figura do filo-PSDBosta Moro) roerão as unhas do pé. Os mesmos que gritavam pelas ruas: "Somos milhões de Cunhas!". Cadê esta corja de vagabundos cérebros-de-ameba?

Imagem inline 1
A "justissa" dos paneleiros
De tudo isso, só lamento pelo povo brasileiro (minoria) ter sua vida tolhida pela oligofrenia do povinho-jacó alienado, comodista, bovino (que já é maioria e aumentando), cuja incapacidade para atitudes racionais, conscientes e imparciais entrega tudo nas mãos dos parasitas que se locupletam de suas forças. Pois que cada um consiga ao menos cuidar o melhor possível de si e de seus queridos. De resto, relembremos James Bond: "Viva e deixe morrer!"